Filosofia barata em ritmo de videoclipe

Padrão

"Baixa mais um Curaçau que tá foda!"

A verdade é que A Concepção (2006) não tem perdão.

Eu juro pelos meus filhinhos que tentei ver com bom olhos. Juro mesmo. Talvez eu tenha esperado demais. Mesmo tendo lido um bad review no Omelete, que eu particularmente respeito, confiei no bom senso e no bom gosto do amigo que o indicou.

(Diego, vê se me erra depois dessa, ok?)

Afora todas as falhas apontadas pela resenha, como o roteiro pretensioso, cheio de buracos, que pouco trata do tal ‘concepcionismo’ ou mesmo dá profundidade maior que a de um pires aos personagens e a exploração gratuita do sexo e das drogas, algumas outras.

Lars Von Trier e seu Idioterne (1998) foram chupados até o caroço, depois vomitados em forma de videoclipe. O líder do grupo, o único que realmente acredita, está lá. A garota feiosa, bobinha e jeca está lá, também babando quando volta para casa. As pessoas fazendo orgias e correndo nuas na grama estão lá. Não que eu ache que o original seja mesmo bom, mas vá ser cara de pau assim lá em casa.

Até a montagem escalafobética, altamente elogiada, alternando formas técnicas e narrativas diferentes, a mim pareceu apenas uma colagem cujo único intuito é fazer o filme parecer moderninho e artê.

É tão, mas tão ruim, que dado momento até o palavreado de baixo calão dá no saco. Parece forçado. As ‘idéias concepcionistas’, nem comento. Brasília, o tédio e a absoluta desgraça de ser filho de gente abonada como justificativa para tudo isso, nem começo.

Para não dizer que o filme é ruim em absoluto, duas ressalvas.

‘Oh! You Pretty Things’ faz parte da trilha. Algo me diz que apareceu duas vezes por falta de grana para pagar royalties. Razoável, para um filme que nem ao menos justifica película.

Os gangbangs são protagonizados por gente ‘de verdade’, ou seja, celulites e demais imperfeições estão à mostra. Quer dizer, o Rafael achou isso positivo. Eu só achei a maior concentração de pau pequeno e peito caído já vista no cinema brasileiro, mas meu conhecimento é limitado.

Anúncios

Um comentário sobre “Filosofia barata em ritmo de videoclipe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s